Notícias

Sucesso de público e vendas na Bienal do Rio

Nenhum Comentário

Das 200 mil pessoas que estiveram na 17ª Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro, no Riocentro, nos cinco primeiros dias de evento, 54.467 visitaram o estande do Grupo Editorial Record. No sábado, as vendas registraram 30% de aumento em relação ao primeiro sábado da feira de 2013. No domingo, o percentual de aumento foi de 52%, também em comparação ao mesmo dia da anterior. Na segunda, por ser feriado de 7 de setembro, o aumento chegou a 109%. Na Bienal de dois anos atrás, o 7 de setembro caiu num sábado.

O lado feio do amor (Galera Record), de Colleen Hoover, foi o livro mais vendido do estande até agora. A americana esteve no Conexão Jovem conversando com suas leitoras no domingo, 6 de setembro. Várias fãs vieram de muito longe para conhecer a autora das séries Slammed e Hopeless. Uma delas viajou do Chile até o Brasil e perguntou quando Colleen publicaria seus livros por lá.

Outro autor internacional que movimentou o estande foi Joseph Delaney, autor da série Caça-feitiço. Ele também conversou com leitores no Conexão Jovem, respondeu a perguntas variadas sobre seus livros e deu dicas para quem quer se tornar um escritor. “O tempo vai ser sempre escasso, mas você precisa se esforçar. Eu era professor e acordava bem cedo para escrever, antes de ir para o trabalho”. Na Bienal, o britânico lançou O bestiário de John Gregory, o caça-feitiço (Bertrand Brasil).

Carina Rissi, autora da série Perdida e de No mundo da Luna, pela Verus, esteve na abertura do Cubovoxes, na quinta-feira, e respondeu a perguntas das fãs. Várias confessaram que nunca tinham lido um livro na vida até conhecer a obra de Carina. “Agora, estou lendo todos os livros da Jane Austen, por sua causa”, contou uma menina que veio de Volta Redonda para conhecer a escritora. Carina passou quase cinco horas autografando no estande no sábado – mesmo dia em que Bianca Briones, Paula Pimenta e Patricia Barboza também receberam suas fãs por lá.

Com livro novo previsto para o fim de outubro, Eduardo Spohr esteve com os fãs no domingo e deu mais de mil autógrafos durante seis horas e meia. Na fila, estava uma senhora que contou ser fã de Spohr e deu um livro de presente ao neto, que estava lá também para pegar autógrafo. No Conexão Jovem, o ator e dublador Sérgio Cantú leu o primeiro capítulo de Filhos do Éden: Paraíso Perdido   (Verus), livro que encerra a quadrilogia do autor, que começou com a publicação de A batalha do Apocalipse.

Na segunda, 7 de setembro, foi a vez de Thammy Miranda, filho da cantora Gretchen, causar furor no estande do grupo. Ele autografou, junto com a autora Marcia Zanelatto, o livro Nadando contra a corrente (Editora BestSeller), em que conta a história de sua transexualidade. Entre os fãs, um grupo de mulheres de uma mesma família chamou atenção: elas entraram na sala de autógrafo super emocionadas e dizendo serem todas evangélicas. “Thammy, te amamos. Deus é o mesmo para todos, cada um do seu jeito.”

No café literário, com curadoria do escritor e editor Rodrigo Lacerda, marcaram presença Alberto Mussa, autor de A primeira história do mundo (Record);  Marina Colasanti, que falou sobre a sua tradução de A pequena Alice no país das maravilhas (Galerinha); Malu Gaspar, autora de Tudo ou Nada (Record);  Rodrigo Garcia Lopes, autor de O trovador (Record); e Edney Silvestre, autor do premiado Se eu fechar os olhos agora, A felicidade é fácil   e Boa noite a todos, todos pela Record.

Vários autores ainda passarão pelos espaços da Bienal nos próximos dias. Entre eles, a britânica Sophie Kinsella e o poeta Ferreira Gullar. A Bienal vai até domingo, 13 de setembro. Veja a programação completa do Grupo Editorial Record aqui.

Comentários
Posts Populares

Este website usa cookies para melhorar a experiência do usuário. Navegando neste site você consente com a nossa Política de Privacidade.

Leia Mais