Quentinho da gráfica

Dos thrillers ao zen-budismo: uma semana diversa

Nenhum Comentário

capa-abeira_02À BEIRA DA LOUCURA | B. A. Paris | Record

Cass está sendo consumida pela culpa desde a noite em que viu uma mulher dentro de um carro parado na estrada perto de sua casa, durante uma tempestade, e tomou a decisão de não sair para ajudá-la. No dia seguinte, aquela mesma mulher foi encontrada morta naquele lugar. Cass tenta se convencer de que não havia nada que pudesse ter feito.  Mas isso não é suficiente para aplacar sua angústia, principalmente considerando o fato de que o assassino ainda está à solta. Então, depois da tragédia, Cass começa a ter lapsos de memória: não consegue se lembrar de ter encomendado um alarme para casa, não sabe onde deixou o carro, muito menos por que teria comprado um carrinho de bebê quando nem filhos tem. Começa também a receber ligações silenciosas e sentir-se observada. Seria possível que o assassino a tivesse visto, parada no acostamento, enquanto decidia se ajudaria a mulher ou não? Será que ele está tentando assustá-la para que ela não conte nada à polícia? Mas como Cass pode acreditar em si mesma quando tudo ao seu redor parece provar que está ficando louca?

Capa Tudo aquilo que nos separa MF
TUDO AQUILO QUE NOS SEPARA
 | Rosie Walsh | Record

Imagine a seguinte situação: você conhece um homem, vocês passam sete dias maravilhosos juntos, e você fica apaixonada. E o que é melhor: o sentimento é recíproco. Você nunca teve tanta certeza de algo na vida. Então, quando ele parte numa viagem de férias agendada há muito tempo e promete te ligar do aeroporto, você não tem nenhum motivo para duvidar disso. Mas ele não liga. Seus amigos dizem que você deve desencanar, que deve esquecer o cara, mas você sabe que eles estão errados. Eles não sabem de nada. Algo de ruim deve ter acontecido, deve haver um motivo sério para explicar o silêncio dele. O que você faz quando finalmente descobre que tem razão? Que existe um motivo — e que esse motivo é a única coisa que vocês não compartilharam um com o outro? A verdade.

Capa Pais mal educadoMFPAÍS MAL EDUCADO: POR QUE SE APRENDE TÃO POUCO NAS ESCOLAS BRASILEIRAS | Daniel Barros | Record

O fato de que existe uma grave deficiência educacional no Brasil já é sabido há tempos: uma quantidade alarmante de crianças e adolescentes que frequentam as salas de aula aprende pouco, muito pouco ou quase nada. O problema, entretanto, é que muito se fala da disciplina dos alunos, da merenda, do uso de computadores na escola, de uma suposta doutrinação ideológica e das inúmeras propostas de novas matérias, mas o debate público sobre a qualidade do ensino propriamente dita com frequência carece de substância, e quase não se discute sobre medidas efetivas para mudar essa realidade. Em País mal educado, com base em criterioso trabalho de pesquisa, entrevistas e investigação in loco nas salas de aula, o jornalista Daniel Barros aponta as falhas mais graves do sistema educacional brasileiro, procurando responder por que se aprende tão pouco nas escolas do nosso país e de que maneiras essa triste realidade pode ser modificada.

Capa A monja e o professor CGA MONJA E O PROFESSOR | Monja Coen e Clóvis de Barros Filho | BestSeller

Monja Coen, fundadora da Comunidade Zen-Budista do Brasil, e Clóvis de Barros Filho, filósofo e professor, são dois renomados pensadores brasileiros, cada um em sua área de atuação. O que esperar, portanto, de um diálogo entre esses dois nomes, de origens e abordagens tão diversas? Em A monja e o professor, fruto de um diálogo gravado entre os dois autores, o leitor terá acesso a uma inspiradora conversa, tendo como base a ética e a felicidade, a importância de ser feliz no presente e também a necessidade de um propósito. “Então, como é que você mede o que é adequado? Isso para mim é sabedoria, é capacidade de inteligência e adequação à realidade. E não adequação a um princípio que pode me travar. O princípio está por trás disso, mas ele não me limita, tanto que eu posso mudar de ideia e posso até ser infiel, algumas vezes, a algo que não estava sendo benéfico. Mas não sou infiel a mim”, cita a Monja.

Capa Um pequeno favor CAPA DO FILME CGUM PEQUENO FAVOR | Darcey Bell | Bertrand Brasil

A nova edição de “Um pequeno favor” chega às livrarias no mesmo mês em que a adaptação chega os cinemas do Brasil. No livro, quando Emily pede a Stephanie que busque seu filho, Nicky, na escola, ela alegremente concorda; afinal, são melhores amigas. Emily, no entanto, desaparece sem deixar rastros, e Stephanie logo percebe que algo está errado. Aterrorizada, ela recorre aos leitores do seu blog e oferece apoio emocional ao marido de Emily. No entanto, não consegue ignorar a estranha sensação de que ele não está sendo honesto sobre o desaparecimento. Neste thriller repleto de traições e reviravoltas, segredos e revelações, amor e lealdade, a grande questão é: quem está enganando quem?

Comentários
Posts Populares

Este website usa cookies para melhorar a experiência do usuário. Navegando neste site você consente com a nossa Política de Privacidade.

Leia Mais